logo oficina da inteligência

Dicas para alfabetizar crianças com déficit de atenção

deficit-de-atencao

Nos últimos anos muito tem se discutido a importância do diagnóstico precoce do Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH). O acesso à informação mais clara e precisa sobre este e outros distúrbios colocou, inegavelmente, o tema em voga, mas a alta no número de casos também chama a atenção.

De acordo com a Associação Brasileira do Déficit de Atenção – ABDA, entre 5% e 8% da população mundial apresenta o transtorno, sendo que de 3% a 5% são crianças.

Muito mais comum do que imaginamos, o transtorno surge ainda na infância, em especial a partir dos seis ou sete anos, quando as crianças começam a aprender a ler e escrever e têm maior interação com outras pessoas. Segundo a Associação Brasileira do Déficit de Atenção, de 3% a 5% das crianças de todo o mundo possuem o transtorno.

Isso não significa, no entanto, que todo diagnóstico acontece nesse período. Há casos de pessoas que descobriram o problema apenas na fase adulta e sentiram na pele os problemas causados pela falta de atenção, hiperatividade e impulsividade durante toda a vida.

Este é um dos motivos pelos quais o distúrbio merece uma atenção especial de pais e professores.

 

Como lidar com o déficit de atenção em sala de aula?

Os alunos que apresentam os sintomas característicos do déficit de atenção geralmente precisam de estímulos específicos para garantir uma aprendizagem respeitosa e eficiente. Isso porque, os desafios, especialmente no processo de alfabetização, são muitos e estão relacionados a:

  • Problemas e dificuldade de atenção;
  • Baixos níveis de motivação em tarefas monótonas e rotineiras;
  • Problemas de autorregulação de ordem comportamental, cognitiva e emocional;
  • Dificuldade de organização, seja do tempo ou do espaço;
  • Dificuldade em armazenar sons, como o de sílabas e palavras e muito mais.

É importante dizer, no entanto, que os problemas geralmente não têm origem na capacidade cognitiva da criança ou em suas habilidades de linguagem. O fator desafiador é, justamente, a falta de atenção, que torna a alfabetização muito mais difícil.

Uma vez que as crianças com déficit de atenção tendem a ser muito agitadas e não conseguem prestar atenção por muito tempo em aulas e tarefas, é comum que elas apresentem também sinais de agressividade, desobediência e impulsividade.

E trabalhar os sentimentos e boas práticas personalizadas para alfabetização de crianças com TDAH tem sido cada vez mais necessário.

LEIA MAIS: Criança com TDAH: quais os desafios no processo de aprendizagem?

 

Dicas úteis para transformar a sala de aula em um lugar respeitoso

tdah

É desafiador para todos lidar com um transtorno de déficit de atenção – para os pais, para os professores e para as próprias crianças. Por isso, transformar a sala de aula em um ambiente acolhedor e respeitoso pode fazer toda a diferença no processo de alfabetização.

Há uma linha de estudo que sugere que as crianças com déficit de atenção aprendem melhor quando alguém ajuda a reduzir sua frustração. Dessa forma, por exemplo, é interessante distribuir uma tarefa por vez – e não várias atividades de uma única vez, já que eles tendem a se distrair mais facilmente.

Da mesma forma, esses alunos tendem a ter um tempo de realização das atividades mais lento, sendo importante dar um tempo extra para a realização das tarefas, sempre que possível.

Os profissionais também podem:

  • Estimular a concentração por meio de técnicas de motivação. Da mudança do tom de voz a perguntas que poderão ser respondidas somente depois da explicação do conteúdo, é possível aproximar o aluno do contexto escolar, estimulando a memorização, pensamento e raciocínio lógico.
  • Apostar em jogos e brincadeiras. Tarefas de raciocínio divertidas, como palavras cruzadas, jogos de cartas, jogos da memória e quebra-cabeças são bons exemplos de brincadeiras que permitem que o aluno relacione o aprendizado de um jeito mais interativo – e menos monótono.
  • Adotar estímulos audiovisuais ou sensoriais. Trabalhar a imagem, sons e sentidos é importante para uma melhor memorização nestes casos.
  • Reduzir distrações potenciais e criar oportunidades de aprendizagem nas quais a criança vivencie algo pela primeira vez.
  • Adotar metodologias criativas de ensino. A prática de miniteatros ou desenho livre permite o uso da imaginação e um melhor proveito com tarefas e aprendizados.

Dar oportunidades de aprendizagem para crianças com défict de atenção é permitir que elas vivenciem experiências únicas e sejam estimuladas a trabalhar habilidades como resiliência, foco e disciplina.

LEIA TAMBÉM: Como ajudar crianças com TDAH sem remédio

 

Acompanhe as melhores dicas sobre aprendizagem infantil!

Facilitar o processo de aprendizagem infantil, capacitando pais e profissionais, é o objetivo da Oficina da Inteligência. Fundada pela psicopedagoga Carla Silva e pelo CEO Willian Moreira, a plataforma visa transformar as relações humanas e melhorar o processo de ensino oferecendo treinamentos a professores.

Com uma visão 360º, o site oferece também aos pais todo o conhecimento necessário para que possam participar desta jornada de conhecimento e desenvolvimento. Entre em contato!

Gostou do conteúdo? Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Telegram

Mais conteúdos

Preencha seus dados abaixo e seja VIP:

(Leva menos de 1 minuto) ☺️